Bahia,
 
Página Inicial
Perfil do Velame
Adicionar a Favoritos
DIA D
 
Reportagens
Café das 6
Cinema
 
 
 
 
30.11.2012 | 11h 33m
Como entrevistar Yoani Sanchez


Como entrevistar Yoani Sanchez

Por Rafael Velame

Nossa história com Yoani Sanchez começou em 2010, quando estivemos em Cuba pela primeira vez. Diante do que vimos, passamos a admirá-la ainda mais pela coragem de enfrentar um regime tão repressor, que é a revolução de Fidel Castro, iniciada em 1958. Na época éramos cinco: eu, os médicos Haroldo Dourado , Luiz Carlos Fernandes e César Oliveira  com seu filho, o estudante de medicina Atila Oliveira. Voltamos de lá encantados com a beleza do lugar e espantados com a falta de liberdade de um povo tão educado e hospitaleiro, que sobrevivia com salário máximo de 30 dólares.  Decidimos então, procurá-la em uma próxima viagem ao local, para quem sabe, entender melhor o povo da “ilha de Fidel”. Em 2011, voltamos a Cuba e o grupo passava a contar com mais dois integrantes: o vereador Angelo Almeida e o publicitário Xiko Melo. Infelizmente, nessa viagem não conseguimos contato com Yoani e planejamos o encontro para o ano de 2012. A ideia era planejar tudo antes mesmo de sair do Brasil.  A expedição passou a contar com mais três membros: o advogado Rafael Cordeiro, o ex-deputado Humberto Cedraz e o bioquímico Herminio Seixas. O primeiro passo foi procurar Dado Galvão, autor do documentário Conexão Cuba-Honduras, no qual Yoani é uma das personagens. Foi Dado quem nos colocou em contato com a blogueira cubana e nos deu a incumbência de entregar uma carta e cartazes do documentário. Durante as conversas com Dado surgiu a ideia de doar passagem para que Yoani viesse ao Brasil participar do lançamento do filme. Dado já fazia, através da internet, uma “vaquinha” com o objetivo de arrecadar dinheiro para trazê-la. Juntamos a fome com a vontade de comer. O plano de encontrar Yoani estava traçado: a encontraríamos para uma entrevista, entregaríamos as encomendas de Dado e as passagens para que ela viesse ao Brasil. Quais os riscos disso? Dado contou que chegou a ser interrogado pela polícia política cubana quando filmou o documentário. Mas, estávamos dispostos a correr o risco de uma possível interferência do governo cubano, pois achávamos que o máximo que poderia nos acontecer era que tomassem nossos equipamentos de filmagens e telefones celulares. César era o mais realista e, em tom de brincadeira, mas com um fundo de verdade, sempre alertava para o pior. “Estão prontos para serem pressionados?”, perguntava. Eu ria, todos riam. Sob uma possível tortura, o mesmo César revelou que não aguentaria nem que apertasse o abcesso do seu polegar, quiçá algo mais malvado. A principal preocupação de Xiko era com sua Canon recém comprada no Panamá justamente para a ocasião. “Se tomarem minha câmera eu mato vocês”, alertava.  Em verdade, usávamos o humor para disfarçar a ameaça latente e não voltar atrás na decisão já tomada. 
A CHEGADA
Chegamos a Cuba no dia 17 de novembro depois de dois dias no Panamá. Estávamos mal-acostumados com o luxo da Dubai das Américas e logo no aeroporto tivemos que nos adaptar a realidade cubana. Fila na imigração, demora na entrega das malas, enfim, o aeroporto José Martin é completamente ultrapassado. A alfândega para piorar o clima, foi bastante dura e tivemos que abrir pasta por pasta de dente e shampoo, que levamos para distribuição. Até então, o assunto Yoani era tratado com certa desconfiança, a maioria dos viajantes não acreditava que conseguiríamos. Nos primeiros dias em Cuba entre passeios turísticos, mojitos, piña-coladas, cafés e muita cerveja Bucanero, planejávamos a estratégia do encontro.
A ESTRATÉGIA
Para que o encontro com Yoani fosse o menos perigoso possível, decidimos que iríamos encontrá-la na véspera da viagem de volta ao Brasil, se possível em um ambiente neutro no qual chegaríamos antes e sairíamos duas horas depois dela.  Pediríamos ajuda a um cidadão cubano comum. Elegemos uma simpática guia, que conhecemos na viagem anterior, como a pessoa que nos levaria até a casa da blogueira. Mas depois de acertar tudo, receber o adiantamento, e mostrar entusiasmo, ela que se chamava Cheila (com CH mesmo), nos causou o primeiro imprevisto. Após Cheila ligar para casa de Yoani e avisar que já estávamos em Havana, ela simplesmente desapareceu  e não deu mais notícias.  Foi o nosso primeiro susto e teve gente que até pensou em desistir após o sumiço da nossa “aliada”. “O governo tem o telefone de Yoani grampeado e rastreou a ligação dela”, diziam. Mas, preferimos acreditar que ela tinha se dado conta do risco que correria e não teve coragem de nos comunicar, por isso, sumiu. Afoito, Angelo era o mais ansioso e vivia me instigando para que fossemos logo, sem muito planejamento. Consultei César e decidimos que iríamos de táxi, apenas com o endereço em mãos. Ao invés de sábado (24), véspera do nosso retorno, iríamos na sexta-feira (23), para termos chance de correção, se houvesse alguma falha. A ideia era visitar antes a casa em que viveu o escritor Ernest Hemingway. Enquanto isso, íamos conversando com diversas pessoas sobre localização, distância meios de acesso, interpretação de endereços, segurança de telefones, criando uma imagem geral da situação e passamos de bici-táxi, o táxi de bicicleta cubano, em frente a embaixada brasileira para eventual necessidade. Decidimos não fazer nenhum aviso prévio da visita.
O CAMINHO
Na sexta-feira, após visitar a casa de Hemingway e almoçar no bicentenário restaurante Los Nardos, voltamos ao hotel para preparar as câmeras e pegar o material que seria entregue a Yoani. Sairíamos as 15h para o encontro. Tomei banho e desci para o saguão do hotel. César, que dormia no sofá após o almoço e Angelo, com sua inseparável boina de Che Guevara, já me aguardavam no local. Xiko ainda preparava as câmeras no quarto e desceu 20 minutos depois. Estávamos atrasados e não queríamos que a entrevista acabasse depois do Sol se por. Apreensivos, saímos os quatro a caminho da casa de Yoani.  Caminhamos do hotel Ambos Mundos até a Praça das Armas, onde existe uma feira de livros ao ar livre e é possível encontrar tudo sobre José Marti (o herói da independência cubana) e - obviamente - livros sobre a Revolução de Fidel, a maioria sobre Che Guevara. Tive uma sensação estranha, de que estávamos sendo vigiados por eles através dos livros. Na Praça, ficam os táxis. O primeiro taxista que mostramos o endereço, sem muitas explicações se recusou a nos levar. O segundo atendeu o chamado de pronto, mas com dificuldade de achar o prédio nos deu um susto: pediu informação a um militar sobre o endereço de Yoani. Por sorte, ele nos ensinou o caminho e enfim, estávamos no destino.  “Logo na nossa vez”, ironizava César sobre a estranha ajuda do militar. Deixamos o táxi na porta, acenando com uma recompensa, pois não queríamos sair ao esmo em área relativamente deserta e com material tão importante.
A UM PASSO
Yoani mora no 14º andar de um prédio onde o elevador só sobe até o 13º. Entramos no elevador desconfiados, sob a suspeita de que estávamos sendo observados. César, com toda sua astúcia e experiência, de pronto apertou o 7º andar, segundo ele, pra disfarçar nosso real destino. Depois, fomos ao 13º, subimos um lance de escada e lá estávamos no corredor da casa de Yoani. Mas como identificar o apartamento? Angelo foi rápido e logo viu um adesivo na porta onde estava grafado “Internet para todos”. Estávamos a um passo do encontro. 
O ENCONTRO
Quem nos recebeu foi Reinaldo Escobar, marido de Yoani.  A famosa blogueira cubana apareceu cerca de um minuto depois e com a típica simpatia do povo cubano, foi logo nos deixando à vontade.  Entregamos os objetos enviados por Dado. Deixamos a entrega da passagem para o final. O apartamento é bastante modesto. Sentamos ao redor de uma mesa na sala que tinha uma bela vista para Havana. César deu início e conduziu o bate-papo. Quase uma hora e meia de conversa, onde vários temas foram tratados: a atual decadência do poder de Fidel, a teoria da dependência de Raul dos EUA, a falsa impressão sobre os modelos de saúde e educação de Cuba. Foram muitas reflexões e opiniões. Para uma jovem de aparência frágil, a autora do blog Geração Y fala com muita segurança e equilíbrio. Não hesita em contestar a maneira de governar dos irmãos Castro. Yoani é puro amor a sua pátria. Xavito, o cachorro de Yoani, vez ou outra interrompe a entrevista para receber um cafuné. Yoani relembrou o tempo de criança e de quando descobriu que tudo aquilo que acreditava, era ilusão. “Quando cresci, me perguntava onde estava aquela Cuba que via na televisão. Fui enganada pela revolução”, revelou.  No fim da conversa, pedimos para que ela enviasse uma mensagem ao mundo sobre a luta pela liberdade de expressão. Ela o fez de forma emocionante.  Nosso poeta, César, que normalmente define as situações com frases de efeito, desta vez, trocou a típica frase pelas lágrimas. Chorou. Tentou disfarçar, mas não tinha como. Foi marcante. A entrevista na íntegra com Yoani Sanchez será publicada na próxima edição do Tribuna Feirense. 
O PRIMEIRO SUSTO
Antes de sair da casa de Yoani, perguntei a ela, se a visita nos oferecia algum risco. 
 - Vou ser sincera. Estar aqui sempre é um risco, eu assumo o meu, vocês devem também assumir o de vocês. Meu telefone é vigiado. Mas digam que é um encontro de amigos, sem nenhuma conspiração, nada,  avisou. 
Na hora, nos entreolhamos e tivemos medo de sair, mas não tinha jeito. Fizemos de conta que estava tudo bem e então partimos rumo a escada e ao elevador. Nesse trajeto, perguntei a todos se não haviam esquecido nada no apartamento, ninguém se manifestou. Descemos achando que o táxi que nos esperava já tinha ido embora diante da demora, mas por sorte, lá estava ele. “Tenho palavra”, disse ao ver nossa surpresa por ainda encontra-lo. Entramos apressados no táxi e uns 2 km depois já comemorávamos  nosso feito. Ledo engano. Era cedo demais. Próximo a Praça da Revolução, o distraído Angelo se deu conta de que havia esquecido a mochila no apartamento. Na hora, eu , César e Xiko queríamos esganá-lo. Voltar e arriscar tudo de novo? Sim. Mas, por medo de perder tudo que foi filmado, já que gravamos em equipamentos diversos, por segurança preferimos ficar na Praça da Revolução enquanto Angelo voltava com o paciente taxista para buscar seus pertences.  Quinze minutos depois, Angelo estava de volta com um saco de pão na mão e nos contava do susto que levara. Ao chegar no prédio de Yoani, ouviu um apito e gelou de medo. Mas, por sorte não era a polícia politica e sim um vendedor de pão numa bicicleta. “Comprei o pão só pelo alívio de ver que não era polícia”, disse dando gargalhadas. Todos juntos de novo no táxi, seguimos de volta ao hotel, mastigando o pão com gosto de missão cumprida.
O SEGUNDO E ÚLTIMO SUSTO
Após o encontro, a noite do dia 23 seria de comemoração. Combinamos o restaurante do hotel Iberostar que fica no centro de Havana Vieja. Todo o grupo iria, mas de última hora Luiz Carlos, o Lula, teve uma indisposição e resolveu ficar no hotel. Fomos os nove para o jantar, comemos muito bem, bebemos os vinhos que tinham sido comprados no Panamá, eu estava me deliciando com uma sobremesa, quando César recebeu um telefonema.  Ficou pasmo, e por tabela, deixou todos da mesa também. Era Lula, dizendo  estar detido no hotel e que era para procurarmos um lugar pra se esconder. Na hora não acreditei, mas Lula não era de brincadeiras, ainda mais desse tipo. Ligamos pra ele  e não conseguimos, tentamos o hotel e nada, nenhum contato. A essa altura, já nos sentíamos presos políticos. Eu ria, de nervoso, mas ria. Angelo então anunciou a decisão: iriamos eu, ele e Xiko ao hotel averiguar a situação. Xiko preferiu ficar. Fomos apenas eu e Angelo. O restaurante ficava a aproximadamente dois quilômetros do hotel. Fomos a pé, rindo da situação, da cara de aflição dos que ficaram no restaurante. Humberto resmungava com cara de pavor. “Foram brincar com o poder de um governo”, reclamava. Herminio não queria nem segurar meu celular. “Vou ficar com a prova na mão”, bradava. Pálido, Rafael Cordeiro não conseguia sequer falar. Atila queria beber a garrafa de rum recém comprada. O resto era puro medo.  No caminho também planejávamos o que fazer e pra quem ligaríamos, caso fosse verdade. Ao chegar na frente do hotel, avistamos dois homens com rádios de comunicação nas mãos, passamos direto. De longe, avistei que eram os seguranças do hotel e voltamos. Entramos e nada de anormal podia ser visto. Fomos direto aos nossos quartos. À primeira vista, estava tudo intacto. Alívio geral. Fomos então ao quarto de Lula, e lá estava ele, tranquilo, rindo da nossa cara. Minha reação foi, ao invés de brigar, cair em gargalhada junto com Angelo. Nosso susto havia acabado, mas o dos que estavam no restaurante, apenas começava. Angelo decidiu continuar a brincadeira e enviou um torpedo a Haroldo avisando que o hotel estava cercado e não tínhamos entrado, voltaríamos ao restaurante. Foi então que lembrei que havia deixado meu telefone com Xiko e avisado pra apagar tudo caso não voltássemos em 40 minutos ou se “desse merda”. Caso a “pegadinha” continuasse, renderia a perda da gravação do áudio da entrevista com Yoani que estava no meu celular. Saí feito um louco descendo as escadas do hotel e corri. Passei em frente ao Floridita, bar onde Hemingway tomava seus daiquiris nos anos 30 e, todo suado, percebi que todos na porta me olharam. Tinha que correr até o restaurante para desfazer a brincadeira a tempo.  Por sorte, consegui e cheguei quando todos estavam entrando um táxi rumo ao consulado brasileiro. Salvei os arquivos do meu celular e os meus “ocho más” amigos da tensa brincadeira, que por pouco não foi verdade.  No dia seguinte, a saída do país também foi tensa, pois temíamos ser abordados, mas nada aconteceu. Mas livres mesmo, só nos sentimos, ao pousar no Panamá. E como bem escreveu César Oliveira: “Após a terceira viagem a Cuba, temos cada vez mais a certeza que a ilha não pode ser só poesia y silencioso desespero”. 

 Matéria originalmente publicada no jornal Tribuna Feirense edição 30/11/2012.
 
[email protected]
Envie Comente Ler Comentários ( 12 ) 
 
 
Marite escreveu:
Gracias mil gracias por arriesgar su libertad por la libertad de una islita olvidada. Un saludo afectuoso
 
 
[email protected] escreveu:
HAVIA COMENTÁRIOS SIM, APENAS PORQUE CRITICAVA ESSA PROEZA QUE OS SENHORES POSTARAM, VOCÊS NÃO PUBLICARAM
 
 
Gil escreveu:
Belissimo texto
 
 
Carla - jornalista escreveu:
Me emocionei e ri com essa aventura de vcs
 
 
Helena escreveu:
Retornando, porque acho que meu comentário não chegou, e repetindo o que eu havia dito, admiro imenso o que fizeram. Confesso que eu não teria, talvez, coragem prá tanto, dado os riscos. Pois bem, ainda lembrando que, se a nossa oposição a nível nacional, não tivesse colocado um certo freio nos petistas do alto clero, estaríanmos também, a caminho dêsse tipo de "liberdade". Sendo 10 anos de gov do PT, já estaríamos vivendo como os cubanos vivem.
 
 
paulo roberto escreveu:
não têm outra coisa para comentar não? a não ser desta cubana e desta viagem? ou será uma forma de se aparecer?
 
 
Total Financeira escreveu:
Lindo, corajoso e certamente muito prazeroso poder ter vivido esse momento. Tomara que algum dia Yoani possa se aventurar em terras brasileiras, como o fizeram estes bravos idealistas.
 
 
Sereia escreveu:
Parabéns pelo ato de coragem de vocês. Ver que atitudes como essa, partindo de feirenses, deixam pessoas como eu, orgulhosa! Encantada com texto. Adulto, maduro, leve e muito sapeca...me aventurei em cada parágrafo e me emocionei. Rafael: as vezes tão venenoso, mas de todos o único que dar a cara pra bater, E mesmo apanhado ainda cospe verdades na cara de quem merece. César Oliveira: ainda bem que virou medico e tem a missão de salvar vidas. Se seguisse o jornalismo mataria muita gente despeito.
 
 
RVR escreveu:
Os outros comentários estão nessa postagem que é um link dessa http://www.blogdovelame.com/post.asp?id=3084
 
 
Mariana escreveu:
Que sensacional a atitude de vcs. Ganha o direito a liberdade de expressão
 
 
Diego escreveu:
Quem dera todo mundo tivesse essa consciência de que o direito de se expressar é o pilar de uma sociedade justa
 
 
Leda escreveu:
http://bomdiafeira.web921.uni5.net/noticias/gerais/11759/Empres%C3%A1rio+explica+a+vinda+de+Yoani+S%C3%A1nchez+a+Feira vcs sao show
 
 
3.11.2014 | Bicuda na canela
20.10.2014 | Debate histórico
13.10.2014 | Desce do trio, Zé Curuca!
2.9.2013 | Humildes: um diálogo sem medo
27.11.2012 | Grupo baiano entrega passagens para blogueira cubana vir ao Brasil
9.7.2012 | “Vou colocar o dedo na ferida que os outros candidatos fingem não existir”, diz candidato do PSOL
15.9.2011 | “Este é o meu sonho”, diz Carlos Geilson sobre vontade de ser prefeito
13.8.2011 | A lição de Colbert
 
 


 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
2018
Ago | Jul | Jun | Mai | Abr |
Mar | Fev | Jan |
 
2017
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2016
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2015
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2014
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2013
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2012
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2011
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2010
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2009
Dez | Nov | Out | Set | Ago |
Jul | Jun | Mai | Abr | Mar |
Fev | Jan |
 
2008
Dez | Nov |
 
 
 
A Tarde
Abordagem Policial
Acorda Cidade
Agora na Bahia
Agravo
Bahia Já
Bahia Notícias
Bahia.ba
Barbarella Moderna
Bebi Esse
Bicho do Tomba
Blog Daniele Barreto
Blog de Mário Kertész
Blog do Gusmão
Blog do Jair Onofre
Blog do Kuelho
Bocão News
Bom dia Feira
Calila Notícias
Carlos Geilson
Central de Polícia
Cláudio Humberto
Congresso em Foco
Correio da Bahia
Correio Feirense
Edson Borges
Eduardo Leite
Em Busca do Sim
Feirenses
Fernando Torres
Folha do Estado
Generación Y
Improbabilidade Infinita
Jeitosa
Josias de Souza
Klube do Rafa
Luiz Felipe Pondé
Observatório da Blogosfera
Opinião e Política
Pimenta na Muqueca
Polícia é Viola
Política Livre
Por Escrito
Por Simas
Reginaldo Tracajá
Reinaldo Azevedo
Ricardo Noblat
Sala de Notícia
Segurança em Foco
Sid Caricaturas
Tabuleiro da Maria
Tribuna da Bahia
Tribuna Feirense
TV Geral
Valter Vieira
Viva Feira
Vladimir Aras
   
 
 
 
Perfil   Arquivo   Contato   Anuncie   Webmail
Assine o RSS
This year, Patek Philippe launched its swiss replica watches new AQUANAUT series chronograph watch, which rolex replica watches uses a very eye-catching orange color. It is used on replica watches sale hands, scales and straps. It also makes the "grenade" belonging to uk rolex replica sports watches more youthful.
  Copyright © 2018 Blog do Velame. All rights reserved. by Tacitus Tecnologia  
Página Inicial